Montecristo Editora

gallery/logopuro com borda.512
Montecristo editora

A Montecristo Editora publica clássicos  universais.  Nosso objetivo é oferecer obras de literatura e filosofia a preços acessíveis e com tradução moderna e atualizada.

Oferecemos também os principais clássicos da literatura portuguesa com texto original integral, sem qualquer adaptação ou modificação.

Catálogo
Da Clemência

Da Clemência
Da Clemência
Da Clemência
Da Clemência
Categoria:
Bestseller, Lançamento, Tradução Original
SKU:
978161965130-2
Autor:
Sêneca
Tradutor:
Alexandre Pires Vieira
Rótulo / Gênero:
Filosofia, Sêneca, Estoicismo
Língua:
Português, Latim
Formato:
Digital
Descrição

Disponível nas lojas:  Amazon, Kobo, Apple e GooglePlay

Da Clemência, também traduzido como Tratado sobre a Clemência, é um ensaio de originalmente  três volumes dos quais apenas o primeiro e parte do segundo sobreviveram. Foi escrito em 55-56 dC por Sêneca, dedicado ao imperador Nero no seu primeiro (ou segundo) ano de reinado.

No De Clementia Sêneca desenvolve suas reflexões sobre o poder do estado e sobre a diferença entre o tirano e o bom rei. Traça a imagem de um governante que reina, como representante dos deuses. Explica que o poder absoluto pode ser legitimado e justificado pela prática da clemência, mantendo assim a ordem e organizando um consenso entre os homens. Ao ser clemente, ao ser virtuoso, o imperador se torna útil ao bem público, se porta segundo à Natureza, se conforma ao Lógos, à Fortuna.
Na obra vemos como a clemência deve ser exercitada principalmente por aqueles que podem socialmente exercer poder sobre outros: príncipes, professores, militares, pais, considerando que o dano causado por um erro de julgamento por estes, quando afetados por alguma paixão, será profundamente danoso para quem recebe a punição e para quem a ordena. Para o príncipe, a prática da clemência, além de evitar a formação de oposições, de legitimar seu poder e de lhe garantir direito de sucessão, fornece estabilidade e segurança no poder. Enquanto o tirano, o mau imperador é perseguido e vive sem tranquilidade, o rei-filosofo, o bom e clemente imperador vive em paz, pois conta com o amor e não com o temor dos súditos.



São quatro as definições da clementia senequiana: (II,III,2-3)

“Clemência é a moderação de espírito humano no desempenho do poder de castigar”;

“A brandura do superior em face do inferior, quando da aplicação da pena”;

“inclinação da mente para o abrandamento no ato de impor um castigo”;

" ... a clemência é a moderação que retira alguma coisa de uma punição merecida e devida" .


Sêneca considera a misericoria um vício, e a define como sendo a corrupção da virtude da clemência:

O perdão é a remissão de uma punição merecida; Um homem concede perdão a aquele a quem ele deveria punir: agora o homem sábio não faz nada que não deva fazer, e não omite nada que deva fazer: ele não remete, portanto, nenhuma punição que deva proferir. (II,VII,1-2)

Esta obra influenciou pensadores importantes da Idade Média e do Renascimento. Um exemplo é o reformador francês João Calvino. Pouco depois de terminar seus estudos de direito, o jovem João Calvino escreveu seu primeiro livro, um comentário sobre De Clementia que consiste principalmente de notas filológicas intercaladas com impressões sobre o estilo e as idéias de Seneca. Em sua obra Institutas da Religião Cristã, Calvino aborda o papel das autoridades civis na punição e a importância retomando conceitos da obra.


Disponível nas lojas:  Amazon, Kobo, Apple e GooglePlay Leia um trecho agora na Amazon.
Contato

A Montecristo é uma empresa 100% digital. 

Contate-nos por e-mail ou através de nossa página no Facebook.

E-mail: editora@montecristoeditora.com.br

 

Visite o site O Estoico, para conhecar mais sobre o estoicismo e ter acesso conteúdo da Montecristo Editora

 

Acompanhe a Montecristo no Facebook